Categories
Palavra de Célula

MEU AMIGO ESPÍRITO SANTO – Pr. Danilo Figueira

Texto-Chave: Atos 1:8; 2:1-4

Em Pentecostes, uma das datas mais significativas da história da Igreja, marca quando o Espírito Santo foi derramado pela primeira vez. Cento e vinte irmãos permaneciam unidos em oração, em Jerusalém, esperando a promessa que Jesus lhes fizera. De repente, um vento soprou naquele cenáculo e todos foram cheios do Espírito, falando em outras línguas e manifestando a glória de Deus. A experiência de Pentecostes não é apenas histórica (algo que aconteceu um dia). Ela deve acontecer com cada crente e ser renovada sempre.

Nossa relação com o Espírito é decisiva para uma vida vitoriosa. Por isso, vamos dedicar algumas reuniões da célula neste mês a mergulhar nesta verdade, entender o papel do Espírito Santo como nosso melhor amigo e buscar mais intimidade com Ele. Vamos começar hoje, nos lembrando daquele dia em que houve o primeiro derramar e tirando lições preciosas daquela experiência…

1. O DERRAMAR DO ESPÍRITO FOI UMA PROMESSA DE JESUS, CUJO PROPÓSITO PRINCIPAL É NOS CAPACITAR COMO SUAS TESTEMUNHAS – Atos 1:8 – O enchimento do Espírito visa a nos fortalecer e principalmente nos capacitar para pregar o evangelho, manifestando sinais sobrenaturais que confirmem a Palavra. O resultado imediato daquele derramar no dia de Pentecostes foi que Pedro se levantou, pregou e três mil pessoas se converteram. Precisamos sempre nos concentrar no propósito, para que a unção não se perca. (ler Atos 2:38-41). Perguntas para interação:

1) Qual o papel de uma testemunha? O que você entende sobre ser testemunha de Jesus?

2) Qual o impacto que uma pessoa cheia do Espírito pode causar? Você pode citar alguém que ganha muitas vidas para Cristo, por causa da unção que carrega?

2. A PERSEVERANÇA EM BUSCAR É UMA DAS MARCAS DAQUELES QUE SÃO CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO – Atos 2:1 – Uma vida de unção é para os sedentos. Aqueles centos e vinte discípulos só foram cheios porque perseveraram juntos em oração, por muitos dias, buscando a promessa do derramar do Espírito. Eles tiveram que renunciar a muitas coisas e insistir no propósito, até verem o mover de Deus. (ler Isaías 44:3 e Jeremias 29:13). Perguntas para interação:

1) Por que alguns crentes parecem sempre andar debaixo de uma unção do Espírito, cheios de fervor (fogo) e outros não?

2) Você acha possível que alguém mantenha uma vida sobrenatural, sem perseverar em oração? 3) Qual a importância de estar juntos com pessoas sedentas para manter-nos cheios do Espírito?

3. SER CHEIO DO ESPÍRITO É UMA EXPERIÊNCIA DIVINA E ESPIRITUAL – Atos 2:2 – Muita gente confunde a unção do Espírito com mera emoção. O vento que soprou naquele lugar veio do céu, não foi produzido por nenhuma técnica humana. O motivo pelo qual muitos crentes “sentem a unção”, mas não manifestam os frutos sobrenaturais em suas vidas é que se limitam à dimensão emocional. São tocados pela música, pelo pregador, pelo entusiasmo dos outros, mas não se conectam realmente à fonte que é o Espírito Santo. Eles se contentam só com a sensação e não buscam algo mais profundo. Perguntas para interação:

1) Uma pessoa que só vive experiências emocionais na presença de Deus, mas não vai mais fundo, pode ser frustrar?

2) Alguém da célula pode compartilhar uma experiência forte que teve com o Espírito Santo e mostrar que resultado prático ela teve em sua vida?

4. O PROPÓSITO DO ENCHIMENTO DO ESPÍRITO É FAZER DE NÓS TOCHAS VIVAS – Atos 1:3 – Um dos sinais que ocorreram no dia de Pentecostes foi que se podia ver chamas de fogo sobre a cabeça de cada um daqueles cento e vinte irmãos. Obviamente, isso não continua acontecendo literalmente cada vez que alguém é cheio do Espírito, mas representa algo que Deus quer fazer ao nos encher: levantar-nos como tochas acesas, capazes de iluminar os ambientes onde vivemos e de incendiar outras pessoas com o mesmo poder. Perguntas para interação:

1) Você conhece alguém que incendeia espiritualmente os outros com sua unção? A que você atribui esse poder de influência na vida desta pessoa?

2) O que precisa ser feito para que um crente acenda e mantenha esta chama em sua vida?

5. O FALAR EM LÍNGUAS É UMA EVIDÊNCIA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO – Atos 1:4 – Em todos os relatos bíblicos que contam de pessoas sendo batizadas no Espírito, aparece a evidência do orar em línguas (Atos 10:44-47 e 19:6, por exemplo). Por isso, cremos que quando uma pessoa é cheia do Espírito pela primeira vez, ela é capacitada a orar em línguas estranhas, ainda que não manifeste imediatamente este sinal – Ler também I Coríntios 14:2 e Judas 1:20. Perguntas para interação:

1) Você já ora em línguas estranhas? Conte como foi a primeira vez que isso aconteceu?

2) Você costuma gastar tempo orando em línguas ou orando no Espírito? Por que isso é importante? CONCLUSÃO – Após compartilhar o estudo, invista um tempo orando por enchimento do Espírito na vida dos discípulos. Identifique aqueles que ainda não foram batizados no Espírito e não oram em línguas estranhas. Ore especificamente por eles e estimule-os a receber pela fé e orar em línguas, se o Espírito os estiver visitando… Ore também por aqueles que reconhecem que esfriaram e precisam de um renovo na unção. IMPORTANTE – Insista com todos os membros da célula para que participem dos cultos online, enquanto não podemos nos reunir presencialmente. Confira, um por um, quem estava acompanhando o culto do último domingo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *